Livros até 90% OFF?

Facebook remove anúncios pró-Trump com símbolo alusivo ao nazismo

A campanha de Trump publicou pelo menos 2.110 anúncios com linguagem anti-antifa desde 3 de junho em perfis da rede social do próprio presidente Donald Trump, entre outros.
Foto: Pau Casals, Unsplash
Com informações de
Media Matters e 
The Washington Post

Desde 3 de junho, a campanha de Trump publica anúncios no Facebook incitando a audiência contra o movimento “antifa”. Em 17 de junho, a campanha adicionou um triângulo vermelho invertido a algumas variações do anúncio – um símbolo usado pelos nazistas para designar prisioneiros políticos.

Usando a ferramenta Dewey Square Adwatch para analisar dados de anúncios do Facebook, o site de notícias Media Matters descobriu que a campanha de Trump publicou pelo menos 2.110 anúncios com linguagem anti-antifa desde 3 de junho em perfis da rede social do próprio presidente Donald Trump, e também nos perfis do vice, Mike Pence, Team Trump, Black Voices for Trump, Brad Parscale, Latinos for Trump e ainda no Women for Trump.

Sobre Media Matters

O Media Matters for America é um centro de informações e pesquisas, sem fins lucrativos, dedicado a monitorar, analisar e corrigir de maneira abrangente as campanhas de desinformação conservadoras na mídia dos EUA. Lançado em maio de 2004, o Media Matters for America estabeleceu, pela primeira vez, os meios para monitorar sistematicamente uma seção transversal de meios de impressão, transmissão, cabo, rádio e Internet para desinformação conservadora – notícias ou comentários que não são precisos, confiáveis ou críveis e que defendam a agenda conservadora – todos os dias, em tempo real.

Artigo no The Washington Post

Após a publicação de um artigo denunciando a prática no jornal The Washington Post, a empresa disse que o anúncio ofensivo continha um triângulo vermelho invertido semelhante ao usado pelos nazistas para rotular adversários como comunistas.

A equipe de campanha de Trump disse ter como alvo o grupo ativista de extrema esquerda Antifa, que segundo ele usa o símbolo.

O Facebook disse que os anúncios violavam sua política contra o ódio organizado.

Não permitimos símbolos que representem organizações odiosas ou ideologias odiosas, a menos que sejam toleradas com contexto ou condenação“, disse o chefe de política de segurança da rede social, Nathaniel Gleicher, na quinta-feira.

Ele acrescentou: “Foi o que vimos neste caso com este anúncio e, em qualquer lugar que esse símbolo seja usado, tomaríamos as mesmas ações“.

Não foi a primeira vez

A ação de quinta-feira do Facebook não foi a primeira que a gigante da tecnologia tomou contra os anúncios da campanha de Trump. Em março, a empresa removeu anúncios que, segundo eles, incluíam referências enganosas ao Censo dos EUA – após protestos da presidente da Câmara Nancy Pelosi, entre outros, sobre a decisão inicial da plataforma de permitir as postagens.

Os movimentos do Twitter – que proibiram completamente os anúncios políticos – foram repreendidos por Trump, que dias depois assinou uma ordem executiva que poderia abrir a porta para o governo dos EUA assumir mais supervisão sobre o discurso online.

O executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, em um longo post no mês que defendia o uso da sua plataforma pelo presidente, disse estar preocupado com uma abordagem “que nos leva a editorializar conteúdos que não gostamos, mesmo que isso não viole nossas políticas“.

A impressão inicial do Facebook sobre o símbolo foi de que ele não infringia as regras da empresa. Um usuário que denunciou uma das páginas de Trump por exibir o triângulo invertido recebeu uma resposta no início da quinta-feira, indicando que as imagens “não vão contra um de nossos padrões comunitários específicos“, de acordo com a correspondência revisada pelo The Washington Post.

Outros adotaram uma visão diferente. Um funcionário, escrevendo na plataforma de bate-papo interna da empresa, chamado Workplace, descreveu o sistema de avaliação de anúncios do Facebook como “fundamentalmente estragado“, de acordo com os documentos visualizados pelo jornal The Washington Post.

Há muito tempo que o Facebook proíbe discurso de ódio e simbolismo em sua plataforma, mas a empresa às vezes enfrenta críticas por ser permissiva demais. Em 2018, Zuckerberg defendeu os direitos dos negacionistas do Holocausto, dizendo que não acreditava que “eles estavam intencionalmente errando“.

Nesse caso, a ação do Facebook contra os anúncios de Trump ocorreu após um esforço conjunto, inclusive pelo Comitê de Direitos Civis dos Advogados. David Brody, advogado da organização e membro sênior de privacidade e tecnologia, denunciou o material ao Facebook, bem como a seus auditores de direitos civis.

Deborah E. Lipstadt, uma importante estudiosa americana do Holocausto, disse que a inclusão do símbolo na publicidade alarmista ecoou a decisão inicial da campanha de realizar uma manifestação em Tulsa em 19 de junho, conhecida como Juneteenth em comemoração ao fim da escravidão. Trump atrasou a manifestação em um dia após um clamor.

É uma insensibilidade e provavelmente indicativo de quem está ao redor da mesa quando essas decisões estão sendo tomadas“, disse ela. “Acho chocante“.

Murtaugh, porta-voz da campanha de Trump, observou que o desenho não está incluído no banco de dados de símbolos de ódio da Liga Anti-Difamação. Mas o CEO da liga, Jonathan Greenblatt, condenou o uso em combate político como “ofensivo e profundamente perturbador.

Não é difícil criticar seu oponente político sem usar imagens da era nazista“, disse Greenblatt em comunicado. “Imploramos à campanha de Trump que tome mais cuidado e se familiarize com o contexto histórico antes de fazê-lo. A ignorância não é uma desculpa para se apropriar de símbolos de ódio“.

Jake Hyman, porta-voz da ADL, disse que a marcação não está no banco de dados de ódio da organização porque o inventário não é para “símbolos históricos nazistas“, mas para “símbolos comumente usados ​​por extremistas modernos e supremacistas brancos nos Estados Unidos“.

A ADL e outras organizações líderes de direitos civis, incluindo a NAACP e a Color of Change, lançaram esta semana uma nova campanha pedindo às grandes marcas que retirem dólares de publicidade do Facebook, dizendo que a empresa não conseguiu impedir o discurso de ódio e o incitamento à violência.

O Facebook sustenta que tem feito progressos para erradicar desinformação e conteúdo odioso, e nesta semana anunciou uma nova iniciativa que visa ajudar 4 milhões de pessoas a se registrar para votar este ano. Em uma coluna no jornal “USA Today“, Zuckerberg também disse que a empresa lançaria um recurso que vai permitir aos usuários optar por não exibir anúncios políticos em seus feeds.

Trump fez da antifa – um rótulo associado a manifestantes antifascistas uma peça central na resposta às manifestações estimuladas pelo assassinato de George Floyd sob custódia policial em Minneapolis.

Apesar dos avisos de incursões antifa em dezenas de cidades, não há evidências que vinculem explosões de violência a um esforço organizado de esquerda.

Recapitulação

Durante a campanha de 2016, Trump twittou e excluiu um gráfico mostrando Hillary Clinton ao lado de notas de US$ 100 e uma estrela de David de seis pontas – o tipo de estrela que os nazistas forçaram os judeus a usar em suas roupas. O então candidato insistiu em uma declaração de que as insígnias não eram anti-semitas porque representavam o distintivo de um xerife, não a estigmatizada Estrela de Davi.

Assine nossa newsletter semanal grátis