A vacinação contra a covid-19 no mundo

Com o impeachment, sai o capitão e ficam os generais

Livraria Indigital
Foto: Joa Souza, Shutterstock (Salvador, 2017)

O impeachment é uma resposta mínima, mas, se colocado em pauta e, se for finalmente aprovado, não resolve a crise política. Talvez a agrave. A intervenção militar foi eleita. Se sair o capitão, ficam os generais. E eles não parecem interessados em abertura ao diálogo.

Os generais posam de sensatos atrás do capitão-mito. Havia algum general nas manifestações fora STF e fora Maia? Para a imprensa, os verdinhos fazem de conta que não têm nada com isso.

Não existe ala militar, ala ideológica, ala disso e daquilo. São todos de uma única ala: a ala disso que tá aí. O vídeo da reunião ministerial, aquele que ninguém viu mas se ouve muito falar, parece ter um potencial desastroso.

Pelo contrário, alimentam a ilusão de quem quiser se iludir com a voz da sensatez de estrategistas lunáticos. Se colar colou que são íntegros patriotas e que integram a ala lúcida da razão de um governo que decreta e desdecreta o que quer, dia e noite.

Ver essa foto no Instagram

Correndo o risco de me repetir… https://www.brasil247.com/

Uma publicação compartilhada por Renato Aroeira (@arocartum) em

A soldadesca miliciana e rude assume a parte braçal e apoia aquilo que os generais não podem apoiar em público, como as loucurinhas do AI-5, a intervenção militar e a guerrilha digital contra o STF e o Congresso. Os generais? Mãos e beiços desinfectados com álcool gel – essas ideias fazem parte do jogo democrático e ponto final e “não vamos nos pronunciar“.

Especular sobre quem conspira não é pecado: quem acredita nessa encenação dos que comemoram a revolução de 1964? Será que esses interventores cívico-militares toparam ser cupinchas da milícia do Vivendas? Ou não são cupinchas e integram essa máfia corrupta e obscura, com mais poder do que qualquer aparelhamento ou, na língua deles, um projeto comuno-ateu-petista de destruição do país?

Vice-presidente ajudou a convocar grupos de WhatsApp para manifestações antidemocráticas do dia 15 de março de 2020

Qualquer que seja a resposta, ela não interessa mais. O genocídio causado pelo coronavírus, e incentivado pelo capitão dos generais, é de longe o assunto mais urgente. Os militares mal jogaram para debaixo do tapete as atrocidades e a vergonha da ditadura e agora precisam lidar com mais essa tragédia sem precedentes da qual são cúmplices.

Apagar dos livros de história é fácil. Negar através de olavismos e terraplanismos é fácil. Apagar das próprias biografias é impossível.

Arte sobre reprodução do Twitter.

Ser um General não é para qualquer um, não é como ser um ministro passageiro, é um posto para sempre. O ápice da hierarquia militar. Os generais civis do Planalto sabem muito bem com quem andam, onde estão e o que fazem.

Eles sabem quem coordena e sabem quem são os que consomem o lixo tecnotóxico disparado pelo gabinete do ódio – aquele ministério informal dado a um vereador que fica do ladinho do gabinete do general-civil-ministro Heleno.

A intervenção militar foi eleita. Com o impeachment, sai o capitão do Planalto mas ficam os generais, o Carlos e os robôs e amigos. Ainda ficam Eduardo e Flávio ocupando cargos públicos relevantes, cada um com um universo próprio de encrenca.

Uma pista de que a hibernante oposição se deu conta disso foi o movimento deste sábado de Marcelo Freixo, deputado federal do PSOL, que abriu mão da candidatura à prefeito do Rio de Janeiro em nome da união de um bloco antifascista.

Marcelo Freixo é um dos primeiros políticos da esquerda que captou esse cenário inédito e lançou uma tentativa de confrontar amplamente o levante reacionário que une desde os movimentos monarquistas, milicianos e fundamentalistas religiosos, até um empresariado nada interessado em ideologias mas cheia de interesse pelas boas e velhas licitações públicas.

O #foraBolsonaro de hoje consolida a militarização do executivo federal. Os generais, esses seres misteriosos e estrategistas, vão apoiar as aventuras da soldadesca miliciana? Ou vão primar pela manutenção de um estado minimamente democrático?

Quais os riscos reais que correm as eleições de 2022? O resultado vai ser aceito se a tal frente ampla antifascista vencer? Qual surpresa a chapa fictícia de Dória + Moro guarda?

Nenhuma resposta. O dólar e a bolsa ilustram as incertezas do mundo inteiro com o Brasil.

Tiago O. Dias
Tiago é jornalista e escreve sobre tecnologia, política e desafios sociais contemporâneos. Trabalhou mais de 10 anos no varejo e no e-commerce de livros nacionais e importados. Atualmente cursa especialização em Ciências Humanas na PUCRS e Ciência Política no IERGS.