$VIDA token - Site Oficial

“Detox Facebook” mira anunciantes e ganha apoio do Sleeping Giants

Foto: Ink Drop, Shutterstock

Os posts de Donald Trump incitando o racismo nas redes sociais geraram uma reação que mira desidratar as receitas de anúncios do Facebook. Um grupo de 60 grandes anunciantes na plataforma – como Coca Cola, Microsoft, Amazon, McDonalds, Nestlé, Disney e Google – começa a ser convidado pelo perfil anônimo do Twitter, Detox Facebook, a repensar os investimentos em marketing na empresa de Mark Zuckerberg.

Reprodução: Detox Facebook

A tática é parecida com a que o perfil Sleeping Giants utiliza para persuadir empresas a bloquear anúncios em sites de fake news e de desinformação.

No caso do Detox Facebook, a ideia é pressionar Mark Zuckerberg pelo bolso: ao convencer grandes anunciantes de evitar anúncios na plataforma, o grupo acredita que pode haver uma atitude mais contundente do CEO da rede social e segunda maior plataforma de anúncios online do mundo a repensar decisões como manter posts racistas e com incitação à violência.

“Não Compramos Ódio”

Em apoio ao movimento Black Lives Matter (vidas negras importam), o perfil conscientiza os consumidores para que acompanhem as respostas das 60 empresas aos pedidos de posicionamento público sobre o financiamento dos discursos de ódio.

O Sleeping Giants retuitou um dos tweets do Detox Facebook nesta sexta-feira

Os idealizadores comentam nos tweets que se inspiraram em dois outros movimentos: um é o Sleeping Giants, que mira desidratar a receita de publicadade de um site por vez, e atingiu 250 mil seguidores em quatro dias na versão brasileira; e o perfil Stop Funding Hate, que ainda não tem um genérico brasileiro, mas já conta com mais de 100 mil seguidores na versão dos EUA e também questiona os anunciantes em público sobre campanhas veiculadas em veículos voltados à desinformação, propagação de discursos de ódio e fake news.

Delete o Facebook

A denúncia de Edward Snowden de que a NSA tinha acesso a plataformas de redes sociais, impulsionada pelo escândalo da Cambridge Analytica, nas eleições de 2016, sobre o vazamento massivo e manipulação de dados de eleitores nos EUA, desencadou campanhas esporádicas, a cada nova polêmica envolvendo o Facebook, para que os usuários encerrem as suas contas na rede social.

Nas últimas semanas, após o embate de Mark Zuckerberg com boa parte da opinião pública e também com os próprios funcionários, a hashtag #deleteFacebook voltou a ser vista nos trending topics do Twitter algumas vezes.

O movimento hacker Anonymous voltou a comentar sobre porque utiliza o Twitter – e não o Facebook – para se comunicar com o grande público. Respondendo a um questionamento de um seguidor, o perfil disse que o Facebook “compartilha dados dos usuários com o governo”, e defendeu que o Twitter continua sendo o mais apropriado para assegurar o anonimato diante das autoridades.

Assine grátis a nossa newsletter semanal

* indicates required

Por favor, marque abaixo que você concorda em receber os nossos e-mails:

Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails. Para informações sobre privacidade e cookies, consulte a nossa Política de Privacidade.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp’s privacy practices here.