A vacinação contra a covid-19 no mundo

Startups do Vale do Silício preparam a nova geração de antidepressivos

Os empresários esperam que as drogas psicodélicas sigam o caminho da maconha, mas médicos e pesquisadores não têm tanta certeza de que seja uma boa ideia.
Livraria Indigital
Foto: Sandratsky Dmitriy, Shutterstock
Com informações de Tessa Love 
para o blog OneZero

Médicos e pesquisadores estão preocupados com o Vale do Silício: ele pode estragar os psicodélicos.

Os empresários esperam que as drogas psicodélicas sigam o caminho da maconha para a indústria do estilo de vida, mas os pesquisadores médicos não têm tanta certeza de que seja uma boa ideia.

Antes de os psicodélicos chamarem a atenção dos empreendedores, eles intrigaram os cientistas. Após décadas de proibição, os pesquisadores ressuscitaram o estudo de substâncias psicoativas para fins terapêuticos há alguns anos, na esperança de encontrar novas soluções para uma crescente crise de saúde mental. Agora, anos depois do que foi considerado o “renascimento psicodélico”, uma crescente coleção de estudos está mostrando que essas substâncias podem se tornar tratamentos primordiais para depressão, estresse pós-traumático, dependência, ansiedade no final da vida e muito mais.

Reprodução: Amazon.

“Percebi que, em 2020, isso seria um grande negócio”

Mike Arnold

Em 2017, Mike Arnold viu uma oportunidade tão grande que mudou o curso de sua vida. Depois de representar vários agricultores de cannabis do mercado negro como advogado de defesa criminal, ele percebeu que a percepção popular da planta estava mudando.

As leis estavam afrouxando, mais pessoas participavam, e as pesquisas mostravam cada vez mais que a maconha talvez não fosse tão ruim para você – e talvez até às vezes boa para você. Para Arnold, isso significava uma coisa: se ele entrasse cedo no setor, poderia fazer fortuna.

Naquele ano, Arnold deixou o Direito e lançou uma startup de cannabis. Ele levantou US$ 2 milhões em investimentos em menos de quatro meses e produziu quatro toleladas de cannabis recreativa em um ano.

No final de 2017, ele entregou a empresa a um time gerencial. Ele fez o que havia planejado: aproveitou o boom da cannabis e encheu os bolsos de seus investidores. Quando a indústria da cannabis estava sobrecarregada com os recém-chegados, Arnold já estava de olho no horizonte, procurando a próxima onda. E não demorou muito para ele perceber: psicodélicos.

Ele estava certo. Depois de passar décadas como substâncias altamente ilegais e restritas, a psilocibina (cogumelos mágicos), LSD, MDMA, DMT e outras drogas psicodélicas estão provando ser tratamentos viáveis ​​para uma lista crescente de distúrbios mentais e comportamentais.

E enquanto isso significa que estamos prontos para ver uma mudança radical nos cuidados de saúde mental (para não mencionar a consciência humana), também significa que empreendedores e investidores como Arnold esperam que os psicodélicos se tornem a próxima cannabis: uma categoria de produtos de consumo que vale potencialmente bilhões – mas apenas para aqueles que se adiantam e apostam primeiro.

Nem todo mundo vê essa oportunidade para o empreendedorismo como uma coisa boa. Para os pesquisadores que estudam a eficácia dos psicodélicos para fins terapêuticos, essas substâncias são muito mais que uma oportunidade de mercado – são medicamentos potencialmente salvadores de vidas.

Cogumelos mágicos. Foto: anitram, Shutterstock

E após décadas de proibição, os psicodélicos começam a ganhar aceitação popular. Qualquer passo em falso – um experimento que resulte em morte, por exemplo – poderia colocar os psicodélicos de volta onde eles começaram: banidos e considerados sem uso médico aceito.

Se os psicodélicos são vendidos nas prateleiras, em vez de administrados em ambientes médicos rigidamente controlados, os pesquisadores supõem que a chance de uso abusivo aumenta exponencialmente.

Arnold vê de maneira diferente. Para ele, a maneira mais rápida de levar essas substâncias às pessoas que mais precisam é através do livre mercado, uma indústria de marcas e produtos disponíveis para todas e todos.

Com isso em mente, ele lançou a Silo Wellness, uma empresa de tecnologia autoproclamada psicodélica, que visa lançar vários produtos baseados em psilocibina disponíveis para o público em geral em larga escala.

No final de 2019, a Silo anunciou seu primeiro produto – um spray nasal com patente pendente que administra uma microdose medida de psilocibina. Apesar de não haver um caminho atual para a legalização – e um consenso geral entre os pesquisadores de que é muito cedo para saber se produtos como esse são seguros – Arnold diz que já está fazendo pré-encomendas e está avançando na fabricação.

Com esse salto de fé, Arnold está se juntando a uma nova classe de empreendedores trabalhando para solidificar os psicodélicos como os próximos queridinhos dos fundos de venture capital. Mas eles também estão abrindo a porta para uma grande questão: as substâncias psicoativas com marca, marketing e embalagens sedutoras causariam mais danos ou benefícios?

O governo dos EUA – que há 50 anos proibiu substâncias psicodélicas – começou a afrouxar as restrições para permitir seu estudo e uso. Em 2017, a Food and Drug Administration (FDA) designou o MDMA como uma “terapia inovadora” para tratar o Transtorno do Estresse Pós-Traumático (ou TEPT), potencialmente abrindo caminho para a aprovação total até 2021. A FDA também aprovou a cetamina para depressão resistente ao tratamento em 2019 e considerou a psilocibina uma terapia inovadora para transtorno depressivo maior.

Os psicodélicos foram ainda legitimados como possíveis tratamentos para doenças pelo Centro Johns Hopkins de Pesquisa em Psicodelia e Consciência, uma instituição pioneira nos Estados Unidos lançada no ano passado.

A organização recebeu US$ 17 milhões em financiamento de doadores privados, em grande parte impulsionados pelo autor e investidor Tim Ferriss, para estudar exclusivamente a eficácia da psilocibina e outras substâncias para uma variedade de distúrbios. O estabelecimento do centro marcou um ponto de virada para a pesquisa psicodélica – se uma das instituições de pesquisa de maior prestígio se dedica tanto à causa, é porque deve valer a pena.

Mas, é claro, o uso de psicodélicos também se tornou predominante fora dos ensaios clínicos. Muitos no mundo da tecnologia são defensores da microdosagem ou de experiências psicodélicas completas em nome da auto-otimização, o que ajudou a levar os psicodélicos ao mainstream.

A trajetória da cannabis parecia bastante semelhante. Depois de anos de a planta ser enterrada sob uma reputação decadente, as restrições legais começaram a diminuir depois que novas pesquisas mostraram aplicações médicas promissoras. O que se seguiu foi uma explosão de empresas de maconha com marcas de alto nível e carregadas de startups, que levaram a droga que antes era ilícita ao status de item de estilo de vida de luxo. Beleza, bebidas e produtos comestíveis surgiam em toda parte, salpicados de alegações de saúde que quase pareciam irrelevantes.

Os psicodélicos ainda não chegaram lá – e talvez nunca cheguem. A cannabis é usada cronicamente, tornando-a uma oportunidade maior, tanto medicinal como recreativamente, do que os psicodélicos, que normalmente são feitos apenas algumas vezes. A cannabis também produz o composto não psicoativo CBD, que está demonstrando ter uma longa lista de benefícios à saúde, abrindo o mercado para um subconjunto mais amplo de pessoas – não apenas para quem quer ficar chapado.

Os psicodélicos, por outro lado, não têm esse derivado. Tanto quanto sabemos atualmente, seus efeitos na saúde mental provêm da experiência de alteração da mente que produzem. A remoção desse componente psicoativo pode não proporcionar benefício algum.

Isso não impede Arnold e outros como ele de apostar que os psicodélicos, de fato, seguirão um caminho semelhante à cannabis, tornando-se não apenas drogas que podem alterar sua mente, mas potencialmente parte de um estilo de vida.

Esse é especialmente o caso da microdosagem, que pode ser a exceção a essas regras. Uma microdose é uma pequena dose de um psicodélico que mal pode ser sentido. Utilizadas de forma consistente, muitas pessoas acreditam – e alguns estudos mostram – que a microdose ajuda a melhorar o humor, a criatividade e a produtividade e pode até funcionar como antidepressivo. Este é o mercado que a Silo Wellness está explorando.

Independentemente de os psicodélicos serem ou não a próxima indústria de cannabis, investidores estão mordendo a isca. No ano passado, foi formado o Field Trip Ventures, o primeiro fundo de risco do mundo exclusivamente para psicodélicos.

A empresa alemã ATAI Life Sciences está investindo em empresas de biotecnologia que trabalham em tratamentos psicodélicos para a saúde mental.

O bilionário Peter Thiel (fundador do PayPal e membro do conselho de administração do Facebook) apoiou a Compass Pathways, uma startup criada para se tornar o primeiro fornecedor legal de terapia assistida por psilocibina, e o apresentador do Shark Tank, Kevin O’Leary, financiou a startup MindMed, que está fabricando um medicamento a partir da ibogaína psicodélica que visa o tratamento da dependência química.

No início deste ano, a MindMed se tornou a primeira empresa psicodélica a se tornar pública depois de levantar mais de US$ 24 milhões em uma rodada de financiamento pré-público, e o IPO da Compass pode ser o próximo.

Em sua busca para dominar o espaço cedo, essas empresas estão agindo antes que a pesquisa médica seja totalmente estabelecida e aceita – e antes que seus produtos sejam legais para vender. Embora seu objetivo final possa ser vender psicodélicos em lojas como a Whole Foods, muitas dessas empresas estão realizando ensaios clínicos que, esperam, possam acelerar a demanda médica por psicodélicos e, portanto, o processo de aprovação dessas substâncias para uso terapêutico.

Embora pareçam aplicações de saúde diretas, seu status de empresas com fins lucrativos dirigidas por empreendedores sem experiência anterior no espaço psicodélico tem receio de que esses tratamentos e substâncias possam ser explorados.

Aqueles de nós que pensam que esses medicamentos podem ser viáveis ​​querem vê-los desenvolvidos e disseminados amplamente para as populações que precisam deles. Isso, por si só, envolverá alguma forma de comercialização”, diz Jennifer Mitchell, pesquisadora psicodélica da Universidade de São Francisco. “Se esse é o momento certo, essa é uma pergunta diferente“.

Apesar do ressurgimento da pesquisa psicodélica, ainda se sabe pouco sobre como essas substâncias funcionam. Enquanto a pesquisa mostra que a psilocibina, por exemplo, trabalha com os receptores de serotonina no cérebro, e o MDMA ajuda na liberação de serotonina e dopamina, os pesquisadores alertam que não é aí que está a mágica. As empresas iniciantes podem estar queimando etapas, tentando reivindicar benefícios médicos para produtos mal projetados.

Muitos atribuem o sucesso dos psicodélicos a duas ocorrências misteriosas e subjetivas exclusivas dos psicodélicos: dissolução do ego, ou a perda completa do senso de si, e “experiências do tipo místico” ou encontros alucinógenos com uma entidade divina ou espiritual.

Em estudos sobre os efeitos dos psicodélicos na depressão, os participantes que experimentaram esses estados observaram as melhorias mais fortes e duradouras, e muitos consideraram as experiências mais importantes e transformadoras de suas vidas.

Se a potência dos psicodélicos reside em atingir esse estado – e ter um terapeuta ajudando a guiá-lo -, a compra de produtos com quantidades vestigiais de uma substância psicodélica na prateleira pode não trazer benefícios duradouros. O uso crônico que reflete o uso de antidepressivos também pode ser inútil se uma experiência única de abertura da mente é o que realmente ajuda a saúde mental e outros distúrbios.

Além disso, há evidências de que a situação de vida de uma pessoa que toma psicodélicos tem um grande impacto no resultado. A terapia assistida por psicodélicos é exatamente isso – uma sessão de terapia assistida por um composto psicoativo.

No protocolo estabelecido para a maioria dos ensaios clínicos, um ou dois facilitadores estão na sala para ajudar o paciente na experiência psicodélica, e várias sessões de terapia subsequentes ajudam as pessoas a processar e integrar essa experiência. É nesse processo que os pesquisadores acreditam que está a “cura”.

O que mais preocupa os pesquisadores é que as startups nesse ramo tentarão remover os compostos psicodélicos, ou manterão o elemento alucinógeno sem oferecer aos pacientes a orientação adequada para viver essa experiência.

Esse modelo é um grande afastamento do modelo médico que envolve a dosagem diária de medicamentos projetados para melhorar os sintomas“, diz Keith Heinzerling, especialista em dependência do Instituto de Neurociências do Pacífico e diretor do Programa de Tratamento e Pesquisa em Psicodélicos do Pacífico (TRIP). “Não basta remover esses elementos-chave e realmente obter o benefício“.

Startups como Compass e Nana estão construindo os protocolos terapêuticos para a operação de clínicas psicodélicas de ponta em todo o mundo. Mas pesquisadores como Heinzerling e Mitchell temem que, para obter lucro, esses protocolos possam não corresponder aos padrões necessários para realmente obter resultados – e podem ser tão caros e exclusivos que as pessoas que mais precisam dessas intervenções talvez não consigam acessá-las.

É aqui que empresários e pesquisadores estão divididos. Enquanto Heinzerling e Mitchell acreditam que a melhor maneira e potencialmente mais acessível de levar esses tratamentos às massas é através dos canais médicos tradicionais, empresários como Arnold pensam que isso só acontecerá quando esses medicamentos forem lançados no livre mercado.

Fora do domínio regulamentado do sistema de saúde, eles argumentam, a concorrência reduzirá os preços e o tratamento estará mais amplamente disponível. Além disso, em empresas com fins lucrativos, há mais dinheiro para gastar.

Dizer que fora de um modelo com fins lucrativos isso se torna muito mais acessível não é verdade“, diz Ekaterina Malievskaia, cofundadora e chefe de pesquisa e desenvolvimento da Compass. “Se existe um modelo em que os investidores podem obter retorno sobre seus investimentos, existe um caminho estabelecido para arrecadar as centenas de milhões de dólares necessários para o desenvolvimento clínico“.

Arnold concorda. “É melhor para o consumidor ter a menor quantidade de regulamentação possível“, diz ele. “Você sabe o que faz com que os produtos de consumo e a terapia sejam caros? Regulando artificialmente sua disponibilidade”.

Olhando para trás neste momento, podemos vê-lo como o ponto de inflexão entre a pesquisa psicodélica e a comercialização psicodélica. A discussão é pelo menos em parte sobre quem – profissionais médicos ou empreendedores desconexos – está melhor equipado para construir as estruturas.

Eles chamam de renascimento psicodélico“, diz Arnold. “Mas o que é um renascimento sem artistas, sem criadores? Eu quero ver mais Michelangelos“.

Acompanhe Tessa Love no Medium.